Após muita polêmica, Dinamite é eleito presidente do Vasco

O ex-craque Roberto Dinamite é o novo presidente do Vasco. O maior artilheiro da história do clube venceu as eleições presidenciais que se iniciaram na noite da sexta-feira e foram encerradas apenas na madrugada deste sábado, na sede náutica do clube, na Lagoa Rodrigo de Freitas.


Dinamite, da oposição, venceu o candidato da situação Amadeu Pinto da Rocha, que apoiado por Eurico Miranda. Sua chapa teve 140 contra 103 votos do candidato situacionista. O ex-jogador assume a presidência, no próximo dia 1º de julho e terá um mandato de três anos. 



Queda de Eurico
Com a confirmação da vitória de Dinamite, Eurico Miranda vê sua ”Era” ruir depois de 41 anos. Sua vida política teve início no Vasco em 1967, quando ainda tinha 21 anos. Desde então foi crescendo de cargos dentro da ”Nau vascaína” e, a cada ano, passou a ganhar mais importância dentro do clube.


O reinado de Eurico Miranda teve início em 1986, quando foi convidado pelo presidente do Bacalhau, na época, Antônio Soares Calçada, para ser o primeiro vice-presidente. Na década de 90, sempre como vice, se tornou o homem mais forte no clube, principalmente, após as conquistas dos Brasileiros de 97 e 2000 e da Libertadores de 98.


Em 2001, apoiado por Calçada se candidatou a presidente do Vasco e acabou eleito para o cargo, onde se manteve até este ano. Agora – conforme ele mesmo disse nesta semana -, o dirigente deve abandonar o futebol para cuidar da saúde e ter mais tempo para os netos.    


Confusão na eleição
A eleição presidencial do Vasco da Gama extrapolou todas as expectativas mais otimistas e varou a madrugada. Somente no final da noite, perto da meia-noite, é que as duas chapas ? Situação e Oposição ? chegaram num acordo com relação a lista de conselheiros que poderia participar da votação.


A polêmica, que gerou três horas de discussão, era para definir a lista oficial dos 150 conselheiros natos. Cada chapa tinha uma relação diferente. Além destes, poderiam ter direito a voto os 120 conselheiros indicados pela chapa vencedora no quadro associativo, no caso, indicada por Roberto Dinamite, candidato da Oposição, além de 30 conselheiros indicados pela Situação. 


Colégio eleitoral e candidatos
O colégio eleitoral, portanto, é de 300 conselheiros e a expectativa é de que perto de 260 conselheiros estiveram presentes na Assembléia. Entre eles, muitos velhinhos, que foram a maioria do Conselho Nato, título dado a beneméritos ou sócios antigos ou com vasta folha de serviços prestados ao clube.


Na prévia eleitoral à meia noite, na popular boca de urna, Roberto Dinamite venceria por uma diferença pequena, em torno de cinco a seis votos. O candidato da Situação era Amadeu Pinto da Rocha, atual vice-presidente da diretoria, mesmo porque o ex-presidente Eurico Miranda aproveitou de toda esta disputa democrática para se afastar do cargo e também de suas funções no clube. Eurico tem diagnóstico de um câncer na tiróide e vai cuidar da saúde e se dedicar à família. 


Nova eleição após dois anos
A chapa da Situação tentou em vão trabalhar nos bastidores e, principalmente, na Justiça para tentar cassar a decisão do juiz que determinou a nova eleição, por entender que aconteceram várias irregularidades no pleito inicial, também tumultuado, realizado em novembro de 2006. Naquela ocasião, a Chapa Azul (situação) venceu a Chapa Branca (oposição) por 1.848 votos a 1.409. Houve ainda sete votos em branco.


O que levou a Oposição à Justiça teria sido irregularidade na primeira urna, de um total de quatro. E nesta urna contestada houve uma votação bem superior para Eurico (654) contra Dinamite (172), além de dois votos em branco. Se esta urna fosse desconsiderada na época, Dinamite venceria por uma pequena margem de diferença: 1.237 a 1.194.


(Fonte: Agência Futebol do Interior – AFI)